Jogador pivô do rebaixamento automático do clube no Paraibano
Futebol

Clube é rebaixado após escalar jogador envolvido em manipulação de resultados

O Atlético de Cajazeiras, clube do sertão do Estado da Paraíba, foi rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Paraibano de 2025 após escalar um jogador envolvido e condenado em esquema de manipulação de resultados, quando ainda não vestia a camisa da equipe. A decisão do TJDF-PB se deu com base na suspensão do atleta pelo episódio, e que estaria punido até o mês de abril desse ano sem poder atuar. 

Pedro Ivo Rezende dos Santos, o Pedro Bahia, tem 23 anos, e foi condenado pela primeira vez em setembro do ano passado após ser acusado de envolvimento em esquema coordenado por sites de aposta que mantinham interesses financeiros em torno de um resultado negativo para sua então equipe no estado de SP. O zagueiro foi suspenso de forma unânime pelos auditores do TJD paulista e multado em R$ 5 mil pelo ocorrido antes de se transferir para o Nordeste.

A condenação do clube no Paraibano

O Atlético recebeu parecer desfavorável no Tribunal de Justiça Desportiva da Paraíba esta semana após a equipe do São Paulo Crystal entrar com ação nos tribunais onde considerava a escalação de Pedro Bahia irregular, pelo mesmo estar suspenso por 200 dias após ser condenado por envolvimento em esquema de manipulação de resultados no futebol paulista em 2023.

No ano passado, Pedro Bahia jogava em São Paulo pela equipe do Fernandópolis, clube o qual foi suspenso da FPF e teve mais 12 condenados na ação que corre no TJD-SP, por suspeitas de manipulação de resultados durante uma partida válida pela Segunda Divisão do Paulistão, onde seu ex-time enfrentava o Grêmio São-Carlense e acabara derrotado por 3 a 1. O jogo vencido pelo clube de São Carlos com o terceiro gol marcado nos acréscimos do segundo tempo, é investigado por empresas de auditoria que fazem parte de um conglomerado que atesta a integridade das partidas de futebol e encaminharam o confronto em suspeita para o tribunal desportivo de São Paulo.

O zagueiro foi contratado no início desse ano pelo Atlético e atuou em três partidas pelo clube de Cajazeiras no estadual de 2024, tendo o São Paulo Crystal entrado na justiça desportiva estadual após apontar irregularidade na escalação do atleta e pedido sua punição. Com a denúncia, a equipe do sertão paraibano tratou de rescindir o contrato do jogador antes da decisão do TJDF-PB condenar o Trovão Azul a perda de 13 pontos no Paraibano, e culminar com o seu rebaixamento automático para a segunda divisão em 2025.

A decisão unânime pela condenação e descenso do Atlético, foi apreciada em primeira instância em plenário virtual do TJDF-PB no início desta semana, dando ao clube a oportunidade de recorrer para se livrar da punição. O advogado Michel Assef Filho, foi contratado pelo time de Cajazeiras para fazer sua defesa nos tribunais e impedir o Atlético de ser penalizado pelo uso de um jogador condenado por manipulação de resultados e que ainda cumpria suspensão. O Trovão Azul havia conquistado até o momento, 8 pontos no estadual, com duas vitórias e dois empates em oito partidas, e agora, é o lanterna da competição com -5 pontos.

Foto: Divulgação/Atlético Cajazeiras

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *