Augusto Melo Corinthians
Brasileirão Futebol

Corinthians: Clube anuncia a saída dos diretores jurídicos e mergulha em crise política

Na noite da última sexta-feira (24), o Corinthians anunciou a saída dos diretores jurídicos Yun Ki Lee e Fernando Perino, que pediram demissão em meio a uma crise política interna. A decisão dos dois profissionais de deixar seus cargos agrava ainda mais a situação da gestão do presidente Augusto Melo, que enfrenta pressão desde que assumiu o cargo em janeiro deste ano.

A renúncia de Lee e Perino ocorre em um momento particularmente delicado, com o clube já envolvido em uma série de controvérsias e investigações, incluindo a recente crise relacionada ao contrato de patrocínio máster e as suspeitas de pagamentos irregulares.

Em comunicado oficial, o Corinthians informou: “O Sport Club Corinthians Paulista informa que, na noite desta sexta-feira (24), o diretor jurídico, Yun Ki Lee, e o diretor jurídico adjunto, Fernando Perino, pediram desligamento dos cargos. O presidente Augusto Melo agradece os serviços prestados durante esses meses em que estiveram à frente do departamento e deseja sucesso em seus projetos profissionais.”

Recentemente, outros membros da diretoria também deixaram seus cargos. Sérgio Moura, superintendente de marketing, pediu licença por tempo indeterminado, enquanto Rubens Gomes, ex-diretor de futebol, saiu no início de maio devido a divergências com a presidência. O diretor financeiro Rozallah Santoro e o diretor-adjunto de futebol Fernando Alba chegaram a considerar a renúncia, mas foram persuadidos a permanecer.

A crise no Corinthians

A crise enfrentada pelo clube paulista tem como principal origem o contrato de patrocínio máster, que suscitou diversas questões tanto internas quanto externas. O Conselho Deliberativo do clube está atualmente investigando o pagamento de uma comissão de R$ 25,2 milhões à empresa Rede Social Media Design, de propriedade de Alex Fernando André, também conhecido como Alex Cassundé. Este último trabalhou na campanha de Augusto Melo.

A situação se complicou ainda mais com a revelação de que uma parte significativa desse montante foi supostamente desviada para uma empresa “laranja”, denominada Neoway Soluções Integradas em Serviços Ltda, de acordo com informações divulgadas pelo “Blog do Juca Kfouri”. Essas alegações levantaram suspeitas sobre a transparência e a legalidade das transações envolvidas.

Em resposta às acusações, a diretoria do Corinthians afirmou que todas as negociações foram conduzidas de maneira legal e com empresas devidamente constituídas. O clube negou qualquer responsabilidade sobre possíveis repasses a terceiros que não estejam diretamente ligados ao contrato original.

A crise se intensificou após declarações de Augusto Melo: “Marcelo Mariano vai lá todos os dias para não acontecer outras falhas, pelo menos três, quatro vezes, manda pagar 30, 40. Se o diretor financeiro não estava presente, mandava pagar. Se teve algum problema, por que não vetou? Vem falar hoje as coisas,” disse Melo ao canal “Cross”.

Ele defendeu Mariano, afirmando que “é um cara capacitado, está ao meu lado e é um diretor de confiança. Querem manchar nossa imagem, cinco meses, de voto de confiança. Essas pessoas não querem o bem do Corinthians.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *