Liverpool
Futebol Premier League

Fim de uma era! Na despedida de Jurgen Klopp, Liverpool vence o Wolves em casa e garante a terceira colocação na Premier League

Após nove anos, oito títulos conquistados, quase 70% de aproveitamento e 1035 gols marcados, chega ao fim a era Jürgen Klopp no Liverpool.

Em um Anfield lotado, com seus fieis torcedores presentes para prestigiar o último jogo de Klopp como treinador dos Reds, o Liverpool venceu o Wolverhampton por 2 a 0 na última rodada da Premier League.

O time de Jurgen Klopp dominou o primeiro tempo contra o Wolverhampton em Anfield. Aos 26 minutos, Nelson Semedo foi expulso, deixando os Wolves com um a menos. Aos 34 minutos, Mac Allister abriu o placar para o Liverpool após um cruzamento de Elliott. Nos acréscimos, Quansah marcou o segundo gol após uma cobrança de escanteio, encerrando o primeiro tempo com o placar de 2 a 0.

Na segunda etapa, o Liverpool continuou pressionando, mas encontrou em José Sá um goleiro inspirado. Apesar das várias chances criadas por Salah, Mac Allister e Luis Díaz, o placar não mudou. O jogo terminou 2 a 0, com uma despedida digna para Jürgen Klopp e uma atuação brilhante de José Sá, que evitou uma goleada.

A torcida inteira presente em Anfield cantou “You’ll Never Walk Alone” no início e no fim da partida a plenos pulmões, como forma de agradecer e homenagear o treinador alemão pelos nove anos de conquistas e serviços prestados ao clube inglês.

Wolves perde Semedo, e Liverpool domina o primeiro tempo

Os primeiros minutos da última partida da temporada para Liverpool e Wolverhampton começaram com um equilíbrio palpável. A bola passava de pé em pé, revelando um jogo de toques refinados e estratégias bem delineadas. Logo aos quatro minutos, João Gomes teve a chance de abrir o placar com uma finalização de fora da área. No entanto, a bola encontrou a perna de um defensor dos Reds e saiu pela linha de fundo, frustrando a tentativa inicial.

O Liverpool respondeu de imediato. Em uma jogada ensaiada, Gakpo e Salah trocaram passes rápidos, mas, no momento decisivo, o astro egípcio errou o passe final, deixando a torcida com um suspiro de decepção. Não desanimados, os Reds continuaram pressionando. Van Dijk subiu ao ataque e Luis Díaz tentou a sorte, mas ambos encontraram em José Sá, o goleiro dos Wolves, um obstáculo intransponível.

A partida parecia pender para o lado do time da casa, que dominava a posse de bola e se mantinha presente no campo adversário. Contudo, a equipe pecava na finalização e na tomada de decisões, permitindo que o placar permanecesse inalterado.

Aos 18 minutos, foi a vez de Alisson mostrar por que é considerado um dos melhores goleiros do mundo. Hwang Hee-Chan, dos Wolves, chutou com força após uma bela jogada de contra-ataque, mas o arqueiro brasileiro fez uma defesa espetacular.

Aos 26 minutos, o jogo mudou de figura. Nelson Semedo, em uma entrada violenta, acertou o tornozelo de Mac Allister com as travas da chuteira. Após revisão no VAR, o árbitro não teve dúvidas e expulsou o lateral português, deixando os Wolves com um a menos. A partir desse momento, os Lobos recuaram, focando-se na defesa e tentando resistir à pressão crescente dos Reds

Com a vantagem numérica, os anfitriões intensificaram a pressão. Aos 34 minutos, Elliott fez uma jogada individual pela direita e cruzou com precisão para Mac Allister, que não desperdiçou. O gol explodiu Anfield em uma mistura de alegria e emoção, especialmente por ser a despedida de Jurgen Klopp.

Os minutos seguintes foram de domínio total do Liverpool. Van Dijk e Arnold quase ampliaram a vantagem, mas a defesa dos Wolves se mantinha firme, com José Sá protagonizando defesas impressionantes.

Já nos acréscimos do primeiro tempo, Endo acertou um chute forte no cantinho direito, obrigando o arqueiro dos Lobos a se esticar e espalmar para escanteio. Na cobrança, após um tumulto na área, Quansah conseguiu desviar a bola para o fundo das redes, aumentando a vantagem dos Reds e encerrando o primeiro tempo com um 2 a 0 promissor.

O apito final da primeira etapa deixou claro que o Liverpool queria se despedir de Klopp com show e goleada. Enquanto os Wolves precisariam de um verdadeiro milagre para reverter o placar e superar a desvantagem numérica.

Torcedores do Liverpool durante a partida contra o Wolverhampton (Foto: James Baylis - AMA/Getty Images)
Torcedores do Liverpool durante a partida contra o Wolverhampton (Foto: James Baylis – AMA/Getty Images)

Segundo tempo de emoções

Os últimos 45 minutos de Jurgen Klopp como treinador do Liverpool foram repletos de intensidade e momentos memoráveis que lembraram o famoso estilo “heavy metal” que o treinador alemão implementou na equipe dos Reds. Logo no início da etapa complementar, Salah, Mac Allister e Luis Díaz deram uma amostra do que estava por vir, criando chances claras de gol nos primeiros cinco minutos. José Sá, em uma tarde inspirada, realizou defesas incríveis contra os chutes do argentino e do egípcio, enquanto Díaz viu seu disparo beijar o travessão.

O goleiro dos Lobos teve um desempenho brilhante durante todo o segundo tempo. Aos 12 minutos, Mac Allister fez uma jogada pelo meio e encontrou Gakpo cara a cara com José Sá. O atacante chutou forte, mas o goleiro dos Wolves estava lá novamente para impedir o terceiro gol dos Reds.

Aos 22 minutos, foi a vez do Wolverhampton assustar. Matheus Cunha roubou a bola no meio-campo e passou para Nouri, que conduziu, driblou Van Dijk e devolveu para Cunha na cara do gol. No entanto, o brasileiro se atrapalhou no momento decisivo e acabou desarmado, perdendo uma oportunidade inacreditável de diminuir a diferença.

José Sá continuou com sua atuação brilhante quando Salah e Gakpo tabelaram na entrada da área. O camisa 11 disparou um foguete no ângulo direito, mas o goleiro dos Wolves fez mais uma defesa sensacional, garantindo que o placar permanecesse modesto apesar da avalanche de ataques do Liverpool.

O apito final trouxe um misto de emoções para a torcida de Anfield. Foi uma despedida digna para Jurgen Klopp, que sai deixando um legado de conquistas e um estilo de futebol que será lembrado por gerações.

José Sá, por sua vez, saiu de campo como um herói improvável, tendo impedido uma goleada que parecia iminente. Para o Liverpool, a vitória foi mais do que um simples resultado; foi uma celebração da era Klopp, uma era que ficará eternamente marcada na história do clube.

Liverpool 2 x 0 Wolverhampton

Um adeus definitivo? Um até breve? Não sabemos; isso ficará a cargo do futuro. O que podemos afirmar definitivamente é que o dia 19 de maio de 2024 marca o fim de uma era vitoriosa e histórica, não só para os torcedores do Liverpool, mas também para todos aqueles que apreciam o bom futebol, jogado com beleza, técnica e uma busca incessante pelo gol e pela vitória.

Klopp terá para sempre seu nome na história de um dos maiores clubes da Inglaterra e do mundo. Talvez ainda não tenhamos a real dimensão do que foi a era Jürgen Klopp no futebol inglês, mas certamente teremos no futuro. Assim como chegou – um cara simples, humilde e de sorriso aberto – ele se despede. Mas como toda certeza, assim como canta a torcida do Liverpool antes de todos os jogos, o treinador alemão jamais caminhará sozinho.

Arne Slot, holandês e novo comandante da equipe a partir da próxima temporada, terá a missão de continuar o sucesso do time nas últimas temporadas. Com a terceira colocação e 82 pontos, o Liverpool encerra a Premier League da temporada 2023/24 classificado para a Champions League e pronto para escrever uma nova história.

O Wolverhampton encerra a temporada na 14ª colocação, com 46 pontos conquistados. A equipe deve passar por mudanças na próxima temporada em busca de melhores resultados.

(Foto: REUTERS)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *