2155672572.0
Lutas UFC

Dustin Poirier explica onde errou na luta contra Islam Makhachev e aborda o futuro

Dustin Poirier tem uma grande decisão a tomar em relação ao seu futuro após mais uma derrota dolorosa, em sua terceira tentativa de se tornar campeão indiscutível no UFC 302.

Apesar de um esforço valente, o nativo de Louisiana, de 35 anos, acabou perdendo sua luta contra Islam Makhachev, sucumbindo a um D’arce choke que encerrou sua noite. Poirier admitiu dias antes da luta que seria difícil imaginar um cenário em que ele pudesse perder e depois voltar para outra disputa pelo título, então ele planejava aproveitar ao máximo esta última oportunidade.

Infelizmente, Poirier falhou em sua última tentativa de se tornar campeão indiscutível do UFC, e isso o deixou pensando se seria hora de ir embora.

“Eu estava lutando para ser campeão mundial”, disse Poirier na coletiva de imprensa pós-luta do UFC 302. “Tipo, pelo que mais estou lutando? Apenas para lutar pela emoção? Porque sou viciado nisso, sem dúvida. Para o dinheiro? Eu e minha família estamos bem, não preciso de dinheiro. O dinheiro é ótimo, mas minha saúde está em primeiro lugar. Pelo que estou lutando? Ser campeão novamente. Será que algum dia conseguirei essa chance, mesmo se tiver uma sequência? Não sei. Mas é uma montanha tão difícil de escalar que já subi tantas vezes.”, seguiu.

“Tenho 35 anos, vejo e ouço pessoas dizerem: ‘Isso não é velho’. Mas tenho 50 lutas. Luto desde os 17 anos. Lutei minha primeira luta na jaula aos 18 anos. Tenho 10 lutas que não estão no meu cartel. Eu estive em um monte de batalhas. Em algum momento, isso vai me alcançar. Obviamente, acabei de lutar com o cara número 1 do peso por peso, e toda vez que saía do banquinho, sentia que ia vencer essa luta. Lembro-me de ter pensado ao sair do banquinho: ‘Vou ser campeão mundial esta noite’. Então eu só preciso ver.”, explicou.

Quanto à luta em si, Poirier detalhou como foi enfrentar Makhachev e, para ele, isso não se resumiu ao wrestling, que é a principal arma do russo.

Embora tenha passado muito tempo na tela com Makhachev tentando finalizá-lo – incluindo a sequência final que levou à finalização do estrangulamento – Poirier estava realmente orgulhoso das melhorias que fez nessa parte de seu jogo.

Em vez disso, Poirier aponta para uma força que Makhachev e o seu mentor Khabib Nurmagomedov possuem.

“Honestamente, assim como Khabib, seu movimento é realmente estranho”, disse Poirier sobre Makhachev. “O movimento é realmente estranho, para entender a cadência dele. Eu queria abrir mais e dar mais volume, mas quando ele ia para o pocket ele saía estranho. Ele mergulhou com a cabeça, ouvi meu corner me dizendo para jogar a joelhada o tempo todo, mas senti que poderia ser derrubado.”, contou.

“O movimento dele é meio estranho, é um timing estranho, então não consegui fazer combinações. Todo o resto foi o que eu esperava.”, falou.

Dustin Poirier em ação no UFC 302 contra Islam Makhachev
Dustin Poirier em ação no UFC 302 contra Islam Makhachev (Imagem: Jeff Bottari/Zuffa LLC via Getty Images)

Dustin Poirier fala sobre aposentadoria

Com a derrota, Poirier agora se encontra de volta à estaca zero novamente e não tem certeza se conseguirá ficar por aqui tempo suficiente para ganhar outra chance de ouro no UFC.

Há uma parte dele que sabe que isso é possível, mas então Poirier começa a pensar em sua esposa e filha, que têm que se despedir dele durante meses, quando ele está ausente durante o campo de treinamento. Ele sabe que se a decisão dependesse deles, ele se aposentaria imediatamente, mas Poirier é quem deve tomar essa decisão.

“Eu sei a resposta – elas querem que eu pare”, disse Poirier sobre sua família. “Mas sei que ainda posso competir com esses caras. Eu só preciso descobrir pelo que estou lutando.”, explanou.

“Eu venci um jovem da última vez. Acabei de competir com o cara número 1 peso por peso e me senti bem fazendo isso até o fim. Eu só preciso ver. Ainda posso competir, mas não quero que o esporte me aposente e me esmague. Eu não quero ser um daqueles caras que aguentam firme. Eu simplesmente honro e respeito demais isso. Veremos. Não sei, mas esta pode ser minha última luta.”, revelou Poirier.

Talvez a pílula mais difícil de engolir para Poirier seja saber que se ele vencesse no sábado, sua aposentadoria seria iminente.

Em vez disso, a perda o deixa desejando mais, mas ele simplesmente não consegue dizer quanto mais ainda lhe resta para dar.

“Esse é o problema – esta noite, se eu tivesse conquistado esse cinturão, ficaria satisfeito com tudo o que fiz no esporte”, disse Poirier. “Não alcancei o objetivo final. Comecei a lutar para ser campeão mundial, indiscutivelmente, e não consegui.”, seguiu.

“Esta pode ser minha última luta. Não sei. Só preciso chegar em casa e ver pelo que estou lutando.”, concluiu.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *