Fórmula 1 Madri
Automobilismo Fórmula 1

‘Fórmula 1 está indo no caminho da Fórmula E’, alerta ex-campeão

Campeão mundial pela Williams em 1996, Damon Hill, que atualmente é comentarista de automobilismo pela Sky Sports, fez um alerta à Fórmula 1 após o anúncio de que Madri sediará Grandes Prêmios da categoria em um circuito de rua a partir de 2026. A notícia veio à tona na última terça-feira (23) e preocupou os fãs da modalidade que são mais resistentes a circuitos de rua, tendência que vem aumentando nos últimos anos.

Por exemplo, em 2024, serão oito circuitos de rua: Miami, Mônaco, Canadá, Austrália, Azerbaijão, Singapura e Las Vegas, representando 8 das 24 etapas da temporada. Das mencionadas, a prova saudita e as duas dos Estados Unidos são as adições mais recentes ao calendário da F1. Para Damon Hill, a F1 corre o risco de ter um calendário cada vez mais próximo da Fórmula E, onde os circuitos de rua predominam. Ele afirma:

“Falou-se da dificuldade de extrair performance consistente dos carros novos, e aí vem esse movimento na direção de circuitos mais curtos e sinuosos. [A F1] está indo no rumo da F-E, que optou por fazer suas corridas no centro das cidades e em circuitos, deve-se dizer, bem ‘restritos’. Queremos variedade, e, no ‘balanço’, ter um circuito perto de um centro urbano é bom, mas também precisamos manter Spa e outros circuitos tradicionais,” disse Hill.

Possíveis saídas de circuitos da Fórmula 1

A menção de Hill ao circuito belga de Spa-Francorchamps se deve ao fato de que, além do GP da Bélgica, outros circuitos clássicos estão em fim de contrato com a F1 e podem perder vaga no calendário da modalidade. Monza, na Itália, e Suzuka, no Japão, são exemplos de pistas clássicas da Fórmula 1 que podem sair da modalidade nos próximos anos.

Damon Hill também falou no podcast da Sky Sports que a F1 precisa fazer com que os carros sejam mais adaptáveis a diferentes tipos de traçados, ao invés de a categoria reforçar a tendência recente de ter mais corridas de rua devido às características dos monopostos.

“Espero que isso não seja uma indicação de que concessões serão feitas para que os carros tenham menos desempenho do que agora. Vimos um Max Verstappen muito incomodado em Vegas falando sobre tipos de pista que ele prefere”, falou Hill, lembrando das reclamações de Verstappen no GP de Las Vegas.

“A F1 tem que se adaptar às novas exigências colocadas pelo ponto de vista da produção automotiva, bem como à imposição de questões ambientais legítimas pelos governos”, completou o ex-piloto inglês.

A Fórmula 1 terá o início da temporada de 2024 no Bahrein no mês de março, porém a pré-temporada em fevereiro já irá esquentar os motores para o novo ano, com a apresentação dos carros e testes.

(Foto: Twitter Fórmula 1)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *