Joanna Jedrzejczyk; UFC
Lutas UFC

Joanna Jedrzejczyk: “Eu deixaria a aposentadoria se existisse o cinturão BMF feminino”

Se o UFC decidir criar um título BMF feminino, Joanna Jedrzejczyk quer ser a primeira a disputar o cinturão.

Jedrzejczyk (16-5 MMA), ex-campeã peso palha do UFC, foi introduzida na ala da era moderna do Hall da Fama do UFC na última quinta-feira (4). Ela se juntou a Ronda Rousey, sendo as duas integrantes femininas no Hall da Fama do UFC.

A polonesa pendurou as luvas após uma derrota por nocaute para Zhang Weili, em junho de 2022. Ela admite que sente falta de competir, mas seria necessário algo emocionante para trazê-la de volta – como uma luta pelo título BMF.

“Eu adoraria (lutar), mas não tenho um nome na cabeça.”, disse Jedrzejczyk. “Eu não sei – quem quer que seja. Não tenho medo de lutar com ninguém, é isso. Claro, quando trouxeram meu nome (como BMF), mandei uma mensagem para Hunter (Campbell) imediatamente.”, contou.

“Eu pensei, ‘Então, Hunter, o que você acha de eu lutar pelo cinturão feminino BMF’, e ele disse, ‘Não, você não precisa de mais títulos.’”, explicou. “Quero ser a primeira. Eu sairia da aposentadoria para lutar pelo cinturão da BMF. Vamos.”, seguiu.

Joanna Jędrzejczyk ainda sente vontade de lutar

Estar presente no UFC 303 tornou ainda mais difícil para Jedrzejczyk não pensar em lutar. “Quando estou em eventos como este UFC, quando saio com meus amigos ou quando estou em eventos do UFC, sinto coceira”, disse Jedrzejczyk. “Eu sempre digo ao meu empresário, talvez eu deva lutar, talvez eu deva voltar da aposentadoria. Estou com coceira.”, concluiu.