zak brown mclaren bahrain paddock 2022 planetf1 1
Automobilismo

Zak Brown opina sobre possível nova equipe da F1

(por Pedro Gama)Em entrevista ao Motorsport, o CEO da McLaren na F1 e na Indy, Zak Brown, comentou porquê vê com bons olhos a entrada de uma nova equipe na categoria. Ao ser perguntado por que ele apoiaria uma 11ª equipe diluindo o prêmio em dinheiro, Brown respondeu: “Porque acredito que não vou desistir desse dinheiro.””Tem que ser a equipe certa com os recursos certos. Vamos supor por um momento que seja. Se eles pagarem a taxa de franquia certa – que não é de 200 milhões, digamos que seja de 700 milhões – então eu recebo 70 milhões,” disse Brown.Brown defendeu que o valor de entrada seja triplicado no próximo pacto de Concórdia, que será assinado em 2026, saindo dos atuais 200 milhões de euros para 800″A diluição de uma 11ª equipe é de cerca de 10 milhões por ano. Então, se eu conseguir 70, isso estará me cobrindo por sete anos. Então, se custar 700 apenas para entrar, isso cria mais 700 milhões em valor de franquia. Então, o que quer que eu valha hoje, escolha um número… dois bilhões, agora valho 2,7 bilhões.”Ele acrescentou: “Além disso, se você tiver uma 11ª equipe, a escassez é ainda maior porque só há espaço para 12 equipes. Assim que houver 12, agora você está esgotado, então isso aumenta a demanda.As equipes ganham 70% do dinheiro que entra no esporte. Se a General Motors entrar e gastar em publicidade de circuito, patrocinar uma corrida, digamos que eles façam algum Paddock Club, eles gastam 100 milhões por ano, nós recebemos 70 disso”, explicou ele.”Então, de repente, os 100 que eles estão tirando do sistema, eles estão colocando 70 de volta ou 50 de volta. E então, no número certo da franquia, não estou sendo diluído. Eu não sei o suficiente sobre a oferta de Andretti para ter uma visão sobre se eles deveriam ou não (ser aceitos). Ninguém viu o lance.Mas se alguém está preparado para pagar a taxa de franquia certa, é uma equipe de corrida de qualidade, sabemos quem eles são e de onde vem o dinheiro deles e eles pagando a taxa certa, então eu não vejo isso como diluindo. Eu vejo isso como aditivo,” completou Brown.Taxa de Franquia Após a entrada da Liberty Mídia, as equipes da Fórmula 1 queriam mais previsibilidade das receitas. Além de negociarem uma maior porcentagem, criaram uma taxa de entrada para uma nova equipe, com o objetivo de afastar aventureiros e reduzir o impacto nos bolsos, a taxa de entrada foi definida em 200 milhões de euros. Jimmy Haas, dono da Haas F1 Team, foi um dos maiores defensores dessa taxa, pois, segundo ele, todos os acordos são pensados para 10 equipes, e o impacto inicial da entrada de outra competidora seria a divisão dos lucros por 11 ao invés de 10, sendo a equipe entrante incapaz de gerar um dinheiro no curto prazo para compensar a sua entrada.AndrettiO campeão mundial de 1978 não esconde a sua vontade de ter a sua equipe correndo na F1. Mario é um dos maiores críticos a taxa de entrada da categoria, pois, segundo ele, é praticamente inviável uma operação em que você começa com um déficit de 200 milhões antes de sequer contratar um engenheiro. Por algum tempo se especulou que a sua entrada na categoria viria com a compra da Haas, após Jimmy ameaçar acabar com a operação em 2020. Mario chegou a se aliar com a GM na expectativa de a vontade da Liberty Mídia em crescer a sua participação no mercado americano o isentasse da cláusula. Mas viu a sua estratégia ir por água a baixo após a Ford anunciar a sua volta à categoria em 2026, como fornecedora de motores.AudiCom a FIA querendo simplificar cada vez mais o seu regulamento afim de trazer mais equipes pra F1, mudando o motor atual, a partir de 2026, com os complexos MGU-K e MGU-H que praticamente invisibilizavam a entrada de novas montadoras deixando de existir. A Volkswaagen intensificou as suas tratativas para retornar a F1, mas após a divulgação da taxa de entrada, a montadora alemã passou olhar com bons olhos para comprar times já estabelecidos na categoria, foi assim que a Sauber aceitou passar a sua operação para o grupo VW, que a partir de 2026 atuará como Audi.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *