Lucas Paquetá, Flamengo
Futebol Brasileirão

West Ham só aceita venda, e Flamengo se cerca de cuidados jurídicos para trazer Lucas Paquetá

Para negociar Lucas Paquetá com o Flamengo, o West Ham deixou claro: apenas um contrato definitivo. Ciente da situação na qual o jogador se encontra em meio a punições pela acusação num escândalo de apostas, o Rubro-Negro se cerca de cuidados jurídicos para justificar o investimento que visa trazer de volta ao clube o meio-campista da seleção brasileira.

O risco de repatriar Paquetá no Brasil é relativo à operação. Está claro para o Flamengo que em condições normais de mercado não haveria possibilidade alguma de trazê-lo a esta altura da carreira. Há dois anos, o West Ham contratou o meia por mais de 60 milhões de euros e seu valor antes da acusação de envolvimento em apostas girava em torno de 100 milhões de euros.

Com um cenário como esse, o clube inglês se demonstrou disposto a negociar. Porém, sem dar margem a uma possibilidade de empréstimo. Diante do alto risco de sofrer uma grave punição da Federação Inglesa de Futebol, o West Ham compreende que pode recuperar parte do valor investido ao liberar o jogador para o Mengão e que a venda é a única alternativa que lhe resta.

Negociando Lucas Paquetá há cerca de um mês, o Flamengo sabe há no mínimo três semanas, que uma vinda temporária com opção de compra em meio ao julgamento é rechaçada pelo clube de Londres. A partir disso, o Rubro-Negro foi atrás de fundamentos para avaliar o investimento de forma definitiva em seu ex-jogador. Nos bastidores, já se prevê uma estimativa de quando o veredito será oficializado e que há recursos suficientes para mantê-lo em atividade mesmo em caso de sanção.

Flamengo aciona advogados para entender o caso Paquetá

Em meio ao interesse no meio-campista, o Flamengo acionou o escritório de advocacia Bichara e Motta, especialista em FIFA, para uma consultoria visando entender o desenrolar jurídico do caso Paquetá, se o jogador terminar penalizado na Inglaterra. O parecer é de que existem recursos suficientes para manterem o atleta em atividade e até mesmo manter a sanção vigorando apenas no país europeu.

A partir do veredito, Lucas Paquetá poderá recorrer na própria Federação Inglesa e em um segundo momento na Corte Arbitral do Esporte (CAS). Neste cenário, enquanto a pena estiver vinculada ao futebol inglês, o jogador poderá atuar livremente no Brasil. Existe ainda, a parte que cabe à FIFA, que habitualmente nestes casos eleva a pena a nível mundial – algo que costuma acontecer meses depois da condenação. Assim, caberia recurso em seu Comitê de Apelação e, em última instância, novamente no CAS.

Estas são brechas jurídicas que colocam o Flamengo em xeque para decidir seu investimento ou não. Enquanto isso, Lucas Paquetá segue em concentração com a Seleção nos Estados Unidos, disputando a Copa América. O meia já sinalizou o avanço entre as partes, e caso os times se entendam, entrará em ação para negociar suas reinvindicações para voltar ao clube do coração.

Com Paquetá à disposição e Vini Jr fora pelo segundo cartão amarelo, o Brasil enfrenta o Uruguai de Arrascaeta, De la Cruz, Viña e Varela no próximo sábado, às 22h (de Brasília). O duelo no Allegiant Stadium, em Las Vegas, pelas quartas de final da Copa América, define quem avança para encarar Colômbia ou Panamá nas semifinais da competição.

Lucas Paquetá Flamengo
Lucas Paquetá com a camisa do West Ham — Foto: Foto: Divulgação/West Ham

Foto: Pedro Martins / SOCCERIS