Pato no pênalti errado em 2013 Corinthians
Futebol Brasileirão

Pato afirma não ter perdido pênalti de sacanagem no Corinthians e critica Tite: “Ele é quem errou”

O ex-jogador do São Paulo e atacante do Corinthians em 2013, Alexandre Pato, 34, em entrevista ao podcast Flow Sport Club na tarde dessa quinta-feira (29), comentou sobre o pênalti perdido diante do Grêmio nas quartas de final da Copa do Brasil de 2013, vestindo a camisa do Timão, e que encurtou sua passagem pelo time de Parque São Jorge. O atleta contou bastidores do vestiário após o erro que custou a classificação do clube às semifinais do certame há 11 anos, e sobre o clima que deixou no alvinegro após o episódio.

Questionado pelo apresentador Jonathan Thomaz, o Cross, Pato relatou que na época havia treinado a penalidade da mesma forma a qual cobrou naquele jogo disputado em Porto Alegre e culminou na eliminação do Corinthians da competição, e ‘que não houve sacanagem’ de sua parte ao finalizar daquela forma. O goleiro do adversário naquela partida, era ninguém menos que o pentacampeão mundial, Dida, que defendeu com facilidade o penal batido com pouca força pelo atacante, e gerou revolta em seus companheiros de equipe e na torcida, que pediu a cabeça do jogador após a cavadinha fatal.

Sobre o clima do vestiário corintiano depois da eliminação na capital gaúcha, Pato contou que recebeu broncas pesadas de Tite, então treinador do Corinthians naquele 2013, e que diferentemente do que Douglas, seu ex-companheiro de time afirma ter vivenciado no episódio, não houve nenhum movimento de agressão por parte de seus colegas de elenco, apesar da frustração pela cobrança mal batida. Além disso, contou que o único episódio que quase terminou em agressão foi quando ainda vestia a camisa do Internacional e cobrou o companheiro de equipe e ídolo do time gaúcho, Fernandão, que acabou contido por outro jogador do colorado.

O atacante disse que se refugiou em um dos espaços do vestiário para chorar sozinho depois da derrota, e que o técnico após o ocorrido disse que não traria o assunto à público em respeito ao atleta, porém, anos depois, relatou parte do episódio em sua biografia autorizada. Pato conta que sobre a história ter sido trazida à público por Tite em seu livro lhe gerou certa mágoa com o treinador, pois foi uma bronca recebida pelo jogador diante de toda a delegação do Corinthians depois da partida, mas não apaga os feitos e ensinamentos do comandante ao longo de sua carreira.

À época, o Corinthians pagou R$ 45 milhões para ter o atacante recém-chegado do Milan em seu elenco, e que despontou no futebol europeu após ser descoberto no Internacional aos 16 anos, clube pelo qual foi campeão da Libertadores e do Mundial de Clubes, ao derrotar o estrelado Barcelona de Ronaldinho Gaúcho. A passagem de Pato pelo alvinegro apesar da cavadinha que consolidou sua saída ainda em 2013, lhe rendeu dois títulos, o Paulistão e a Recopa Sul-Americana, mas mesmo assim, não evitou um acordo com o São Paulo no ano seguinte, em que acabou trocado por Jadson, que também teve uma passagem vitoriosa pelo Timão.

Alexandre Pato ainda disse que não lhe faltou nada no Corinthians e que a estrutura do clube foi muito boa para seu desenvolvimento no time, com a camisa do Timão fez 62 partidas e marcou 17 gols. Mas após o pênalti, gerou um clima insustentável de continuidade e acabou se transferindo para sua primeira passagem pelo Tricolor. Pato deixou o São Paulo em sua terceira passagem no ano passado, após 10 jogos e 2 gols, e atualmente está sem clube.

Aspas de Alexandre Pato sobre a noite da cavadinha que eliminou o Timão:

“O Corinthians me deu tudo o que eu precisava. E eu entreguei tudo o que precisava, até o pênalti. Na segunda, terça e quarta eu treinei assim. Eu falava para o Cássio, Danilo e Walter que eu ia bater assim. Sabia que o Dida é grande, vai se esticar, mas a bola vai passar. Na hora que vai indo, no campo, não queria que chegasse nos pênaltis, na hora que pego na bola pensei em fazer aquilo que treinei. Se trocar aqui, poderia dar ruim.”

“Eu admiro o Tite, é um baita treinador e ser humano. Depois ele errou sobre esse assunto. Lá na hora ele disse que tudo que ia ser falado, ficaria lá. Ele começou a me xingar, chamar de irresponsável, e ele é o treinador, baixei a cabeça. Ele tem razão. Errei, fiz, pode falar. Mas passaram anos e ele escreveu no livro dele uma coisa que ele falou que não ia falar. Se ele fala que não falaria, por que vou no livro? É justo uma cobrança, criou um clima no Corinthians, um mal-estar no grupo.”

Foto: Reprodução/SporTV.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *