Verstappen Red Bull
Automobilismo Fórmula 1

Diretor da Red Bull diz que equipes “terão que ir além” para tentar repetir RB19

Na temporada de 2023 da Fórmula 1, a Red Bull dominou o campeonato de forma só vista antes em 1988, quando o “Dream Team” da McLaren, que tinha ninguém menos que Ayrton Senna e Alain Prost como pilotos, venceu 15 das 16 corridas daquele ano, dando ao brasileiro o primeiro dos seus três títulos mundiais.

No ano passado, o time austríaco venceu 21 das 22 corridas, sendo que só Max Verstappen subiu ao alto do pódio 19 vezes, sendo que a única equipe diferente a vencer uma corrida em 2023 foi a Ferrari, assim como em 1988. Carlos Sainz repetiu o feito do austríaco Gerhard Berger, evitando um feito inédito na F1, com uma única equipe vencendo todas as corridas do ano.

O RB19, projetado pelo “mago” Adrian Newey, entrou na galeria dos carros mais vencedores de toda a história da categoria, ao lado de outros que ele mesmo havia projetado, como as Williams de 1992 e 1993 e a McLaren de 1998, que deram títulos a Nigel Mansell, Alain Prost e Mika Hakkinen, respectivamente.

“Na crista da onda”, muitas das equipes estudam “copiar” o conceito aerodinâmico do carro vencedor do time de Milton Keynes. Porém, a tarefa não é tão simples quanto se imagina. Em entrevista dada recentemente, o diretor técnico da RBR, Pierre Wache, acredita que as outras equipes terão que “suar a camisa” para tentar repetir os feitos do time austríaco.

“Acho que é possível copiar, mas em todos os negócios do mundo, quando se trata de técnica, o ‘como’ é um aspecto. O aspecto mais importante é o ‘porquê’. Se você não sabe o ‘porquê’, pode copiar o que quiser, mas é melhor ficar com o que você entende,” disse, em entrevista ao site “Motorsport.com”.

Red Bull copiando outros conceitos?

O diretor técnico ainda chegou a admitir que a Red Bull também chegou a copiar algumas coisas de outras equipes, sem citar nominalmente quais.

“Nós também copiamos algumas coisas. Podemos copiar a coisa errada, mas você também se inspira com base no que vê nos outros. É como um efeito Darwin, esse negócio. Você vê algo dos outros, acrescenta outra ideia a ela e desenvolve e aumenta seu conceito, seus pontos fortes e sua capacidade,” completou.

(Foto: Twitter Red Bull Racing)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *