Estêvão palmeiras liverpool copa libertadores
Brasileirão Futebol

Venda de Estêvão pode ser a maior do futebol brasileiro

A venda de Estêvão pelo Palmeiras ao Chelsea por 61,5 milhões de euros (aproximadamente R$ 358 milhões na cotação atual) pode se tornar a maior transação da história de um clube brasileiro, superando as vendas de Vitor Roque, Endrick e Neymar.

Do valor total, 45 milhões de euros são garantidos e 16,5 milhões de euros estão condicionados a metas. O Palmeiras receberá 70% desse montante, enquanto o atacante e sua família ficarão com os outros 30%.

Até agora, o líder dessa lista era Vitor Roque, vendido pelo Athletico-PR ao Barcelona por 74 milhões de euros. No entanto, no futebol espanhol, os clubes são obrigados a pagar impostos e taxas ao governo, o que geralmente é incluído no valor total da negociação.

O mesmo ocorreu com Endrick. O valor total da negociação entre Palmeiras e Real Madrid foi de 72 milhões de euros, mas desse montante, 12 milhões de euros foram destinados a impostos e taxas que o clube espanhol teve que pagar. Assim, a transferência do jovem jogador ficou em 60 milhões de euros, incluindo bônus a serem pagos conforme metas atingidas, similar ao acordo feito por Estêvão.

O caso mais complicado para comparar as negociações mais caras do futebol brasileiro é o de Neymar. A venda do atacante do Santos para o Barcelona foi anunciada em maio de 2013 por 17,1 milhões de euros, que foi o valor pago pelo clube catalão ao Santos.

No entanto, posteriormente, o próprio Barcelona revelou que a transação custou cerca de 57 milhões de euros. A diferença de quase 40 milhões de euros foi paga à empresa N&N, pertencente aos pais do jogador, Neymar e Nadine.

“A negociação envolvendo o Neymar teve várias divisões. Na época, 40 milhões de euros foram para o próprio Neymar. O Santos ficou com 17,1 milhões de euros, e alguns outros bônus totalizaram 60,5 milhões de euros”, afirmou o empresário André Cury, um dos responsáveis pela negociação de Neymar na época e agente de Estêvão e Vitor Roque.

“Hoje, em questões de valores totais, a transação do Estêvão é a maior da América”, completou.

A disputa sobre os valores da transferência de Neymar gerou uma batalha judicial. Uma investigação revelou que o valor total da transação foi ainda maior, chegando a 86,2 milhões de euros.

Na época, o Barcelona explicou, através de seu diretor de futebol Raul Sanllehí, que essa diferença se devia a acordos entre o clube e Neymar, incluindo contratos de marketing, um acordo entre o jogador e a Fundação Barça, e até mesmo o valor do salário ao longo dos cinco anos de contrato.

Meses depois, o Santos acionou a Justiça, argumentando que tinha direito a cerca de 65 milhões de euros, referentes à diferença entre os 17,1 milhões de euros que recebeu pela venda e os 86,2 milhões estimados como valor total da transação.

Em 2020, o Santos perdeu a ação no Tribunal Arbitral do Esporte. O Barcelona, em comunicado oficial, afirmou que houve uma rescisão mútua de contrato entre Neymar e o Santos, e, portanto, não havia razão para a multa solicitada pelo clube brasileiro por danos e prejuízos na saída do jogador.

O caso ainda está sendo investigado, e até hoje os valores reais do acordo não foram completamente esclarecidos.

Veja como a venda de Estêvão se encaixa entre as maiores do futebol brasileiro:

  • Estêvão – Chelsea (61,5 milhões de euros)
  • Vitor Roque – Barcelona (61 milhões de euros)
  • Endrick – Palmeiras (60 milhões de euros)
  • Neymar – Barcelona (57 milhões de euros)*
  • Vinicius Junior e Rodrygo – Real Madrid (45 milhões de euros)

(Foto: Divulgação/Palmeiras)