2156554041
Fórmula 1 Automobilismo

Ex-campeão da Fórmula 1 comenta possível aposentadoria de Verstappen

Um ex-campeão de Fórmula 1 deu conselhos a Max Verstappen após sugestões anteriores de que ele poderia considerar uma aposentadoria antecipada.

O tricampeão mundial dominou o esporte nos últimos anos, contribuindo muito para o sucesso da Red Bull e os títulos do campeonato de construtores em 2022 e 2023.

Apesar do que parece ser um histórico comprovado para a dupla, parece que Verstappen está considerando suas opções, sendo até sugerido que ele poderia deixar a Red Bull antes do término de seu contrato em 2028.

Fernando Alonso respondeu à notícia com dúvidas de que Verstappen conseguiria ficar longe do esporte. Em declarações ao The Times, Alonso disse: “Isso era o que eu pensava quando tinha a idade de Max.”

“Lembro que foi em 2007, assinei um contrato de três anos com a McLaren depois de ter sido campeão mundial com a Renault e tinha 200% de certeza de que era o meu último contrato.”, seguiu.

“[Então] pensei que era minha última temporada em 2018 e disse ‘tchau’ para a F1, pensando que era o suficiente para minha carreira.”, completou.

Verstappen corre o risco de seguir os passos de Alonso?

O espanhol anunciou sua aposentadoria em 2018, mas não durou muito, com o hiato chegando ao fim em 2021, quando ele retornou à F1 com a Alpine.

Quando o espanhol mudou para a Aston Martin em 2023, ele fez um retorno feroz ao longo da primeira metade da temporada, mas caiu fora dos três primeiros do campeonato de pilotos após um segundo tempo decepcionante.

Discutindo sua própria carreira e também a de Verstappen, Alonso continuou: “É algo estranho porque somos pessoas privilegiadas, apenas 20 no mundo pilotando carros de Fórmula 1, então é lógico que você pense que vai adorar fazer isso, desde que seja rápido e você esteja feliz, mas, ao mesmo tempo, está tirando tudo da sua vida que te faz feliz.”

Depois de assinar um contrato plurianual com a Aston Martin no início deste ano, Alonso permanecerá na equipe pelo menos até 2026.