André Silva
Futebol Brasileirão

Compra de André Silva pelo São Paulo pode reativar clube do ABC Paulista, saiba como:

Atuando pelo São Paulo no lugar do argentino Jonathan Calleri, que está lesionado, o atacante André Silva está rendendo bons frutos dentro e fora do clube. Isso porque a compra do atacante pelo tricolor por cerca de 3,5 milhões de euros (R$ 19,4 milhões) do Vitória de Guimarães, de Portugal, pode reativar o CAD Ribeirão Pires, time que o formou.

O clube, que anteriormente se chamava Clube Atlético Diadema, foi onde André Silva atuou dos 13 aos 19 anos. Após a Prefeitura da cidade romper com o clube, a Federação Paulista de Futebol autorizou e se transferiu para Ribeirão Pires, assim mudando o nome para Clube Atlético Desportivo Ribeirão Pires.  

Porém, a pandemia de Covid-19 em 2020 veio e atravancou a instalação do clube, que tinha a pretensão de adequação de campos de treinamento e do próprio Estádio Municipal Vereador Valentino Redivo:

“Veio a pandemia e não jogamos. Queríamos voltar em 2023, mas o estádio estava deteriorado. O clube existe, está filiado à FPF e queremos voltar em 2025 com o sub-15, sub-17 e sub-20. A FPF já fez vistoria no estádio, fizemos reunião com a Secretaria de Esportes, com o prefeito e queremos iniciar as obras necessárias” – explicou ao globo esporte.com Leônidas Barbosa, diretor geral do clube.

“O São Paulo vai pagar o valor da compra do André Silva até 2027, então cada parcela paga ao Vitória de Guimarães vai respingar algo para a gente. Teremos esse dinheiro para reinvestir no clube”.

 

QUANTO IRÃO RECEBER POR ANDRÉ SILVA?

Leônidas não revelou valores, mas demonstrou animação com o recurso. Se provar a filiação dos 13 aos 19 anos, o clube terá direito a 2,75% do valor total do negócio (aproximadamente R$ 530 mil).

Por conta dos seis anos da formação do André na base, o CAD Ribeirão Pires terá também direito a valores relativos ao Mecanismo de Solidariedade da FIFA. Um advogado que representa o clube já solicitou à CBF o passaporte esportivo dele, que serve como prova para a indenização. 

Além disso, o clube manteve também uma parte do percentual econômico de André nas últimas negociações, pensando exatamente no lucro (cerca de R$ 970 mil, levando em consideração a porcentagem dita pelo dirigente).

“Primeiro emprestamos o André Silva ao Rio Ave, em Portugal, mas eles não fizeram a opção de compra. Ele foi cedido ao Arouca e hoje nossa parceria é com eles. Na ida ao Vitória de Guimarães, eles ficaram com 80% e o Arouca com 20%, sendo que nós tínhamos 25% desta fatia do Arouca. O São Paulo paga ao Vitória, que repassa ao Arouca, que nos repassa a nossa parte” – explicou.

O São Paulo conta com 80% dos direitos do jogador, que assinou até o fim de 2027. O restante do percentual segue dividido proporcionalmente entre Diadema, Arouca e Vitória de Guimarães.

(Foto: Marcos Ribolli)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *