Fluminense
Futebol Brasileirão

Fluminense: Protesto é marcado por cobranças e quebra-quebra, sobrando até pro Vasco

Na manhã deste sábado (22), um protesto de torcedores do Fluminense ocupou a frente do CT Carlos Castilho, pertencente ao clube, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro. Na entrada, jogadores do tricolor foram cobrados, além de terem sido sujeitos a ações mais enérgicas, como o carro do volante Alexsander, que foi danificado, e dois seguranças foram feridos ao agir para evitar ações mais graves. 

Dos atletas que passaram pela entrada do CT, os principais alvos foram o zagueiro Marlon, o volante Alexsander e o atacante John Kennedy, que foram abordados com maior intensidade. O volante, inclusive, teve o parabrisa de seu carro quebrado e foi um dos que mais escutou xingamentos. O técnico Fernando Diniz, um dos principais alvos da manifestação, entrou no local antes da mesma começar. Ele, assim como o diretor de futebol Paulo Angioni, estavam desde cedo no CT.

O ex-atacante e atual diretor de planejamento do clube, Fred Guedes, também não escapou das cobranças e precisou conversar com alguns torcedores. Até mesmo Thiago Silva, que sequer estreou pelo Fluminense, foi abordado durante a chegada, mas não houve cobranças ao zagueiro e a conversa foi amena.

Uma tentativa de invasão ao CT também aconteceu, mas foi contida pela segurança. Além dos seguranças do Fluminense, houve apoio do 18º Batalhão e da Recon para auxiliar na entrada dos jogadores. Durante a confusão, dois seguranças ficaram feridos. Um deles com um corte no braço, que precisou ser levado para atendimento médico.

 

Ataques ao Fluminense sobraram até para os funcionários do Vasco

Em meio a situação no Fluminense, alguns funcionários do Vasco, que se dirigiam ao CT do clube da colina, que fica ao lado do Tricolor, também foram atacados. Há registro de dois carros danificados: o do motorista do zagueiro Robert Rojas e de um fisioterapeuta do clube. Ambos estão com amassados e arranhões.

Como o Vasco enfrenta o São Paulo hoje, às 21h30, em São Januário, nenhum jogador que foi relacionado para a partida passou no meio do tumulto pois não precisaram estar no CT cruz-maltino naquele horário.

(Foto: Reprodução)