São Paulo James Rodríguez
Brasileirão Futebol

Por que James Rodriguez não deu certo no São Paulo?

A saída frustrada de James Rodríguez da equipe do São Paulo chocou a todos nesta quarta-feira, após diversas polêmicas do atleta, além do estopim de não viajar com a delegação na final da Supercopa, transparecendo a insatisfação do jogador em vestir a camisa tricolor. Ele alegou ter poucas oportunidades.

O colombiano chegou de forma badalada ao Tricolor paulista, sendo considerado uma das melhores contratações do ano no futebol brasileiro, ao lado de Lucas Moura, com o objetivo de disputar a Libertadores de 2024. No entanto, jogou poucos minutos em equipes reservas e em partidas pouco expressivas na temporada, marcando apenas um gol. A única lembrança do torcedor tricolor é o pênalti perdido na disputa das quartas de final da Sul-Americana de 2023 diante da campeã LDU.

Mas por que a estrela colombiana não deu certo no Brasil? James Rodríguez, como todos lembram, teve uma temporada espetacular em 2014 no Brasil, durante a Copa do Mundo, atuando pela seleção colombiana. Posteriormente, o sucesso o levou a grandes clubes como Real Madrid e Bayern de Munique, conquistando diversas taças, com destaque para as duas Ligas dos Campeões.

Após o fim da passagem pela Alemanha, o jogador foi oferecido ao Everton, da Inglaterra, onde começou suas frustrantes passagens pelo futebol, com atuações apagadas. O principal motivo apontado foi uma dor crônica na região da panturrilha que o impede de atuar em alta intensidade, obrigando os treinadores a montarem esquemas que o beneficiam dentro de campo, como atua na seleção colombiana.

Após sair da Premier League, teve passagens não relevantes no futebol árabe pelo AL Rayyan e pela Grécia, atuando pelo Olympiacos, em todas as equipes atuando em menos de 50% das partidas, tanto por problemas físicos quanto por opção técnica.

A falta de encaixe de James no time de Thiago Carpini

A chegada de Thiago Carpini ao São Paulo “facilitou” a saída do meia colombiano. O técnico, que valoriza um meio-campo intenso, percebeu que James não se encaixava bem nesse estilo, principalmente devido à falta crônica de intensidade que já o excluiu de quase todos os esquemas modernos. Para render, James precisa ter a posse de bola constantemente, algo inviável em um esquema como o de Carpini.

James seria mais adequado em um esquema com maior posse de bola, onde os passes são mais curtos e a distância percorrida no campo de ataque é menor. Fernando Diniz, apesar de ser muito intenso, consegue encaixar jogadores como Paulo Henrique Ganso, que não precisa correr tanto no ataque, pois a bola está sempre em seu pé. Mesmo assim, até Diniz retira Ganso do time quando precisa de uma abordagem mais intensa.

A verdade é que o colombiano faz parte de um estilo quase obsoleto: os camisas 10 clássicos. Cada vez mais, os meias armadores precisam marcar, realizar tarefas defensivas e ficar o menor tempo possível com a bola nos pés, algo que James não consegue fazer. Portanto, é difícil encaixá-lo em qualquer equipe moderna nos dias de hoje.

O atleta, que chegou como estrela, sai pela porta dos fundos no Tricolor do Morumbi, com muitos questionamentos e sentimento de decepção por parte dos torcedores e do treinador, que desejava utilizá-lo ao longo da temporada. James assinou uma rescisão amigável com o clube e estará livre no mercado em busca de uma nova equipe, continuando a atuar pela seleção da Colômbia.

(Foto: Divulgação/São Paulo)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *