Casares Confusão no São Paulo palmeiras
Futebol Brasileirão

Jogadores e diretoria do São Paulo são contidos pela PM durante reclamação da arbitragem após clássico

A delegação do São Paulo foi contida pela equipe da Polícia Militar paulista durante protestos exaltados diante da arbitragem que comandou o clássico de ontem contra o Palmeiras, válido pela 10ª rodada do Paulistão e que terminou em 1 a 1 no estádio do Morumbis. Vídeos obtidos pelo ge.globo mostram confusão iniciada no corredor dos vestiários e que envolveu jogadores e membros da diretoria do Tricolor, os quais acusam parcialidade do árbitro Matheus Delgado Candançan e seus comandados diante de lances onde os donos da casa seriam favorecidos e não foram marcados durante o jogo.

Durante o tumulto, o presidente do São Paulo, Julio Casares, aproveitou a presença da imprensa para reclamar sobre o suposto favorecimento dado à equipe adversária dentro de campo, o Palmeiras. E o mandatário aparece em vídeos da confusão junto do diretor de futebol Carlos Belmonte, um dos mais exaltados no episódio. Entre os jogadores, estão Jonathan Calleri e Wellington Rato, ambos não foram relacionados para o Choque-Rei, porém, marcaram presença na delegação do time. Segundo Casares, Calleri foi ofendido por um dos auxiliares de Matheus Candançan, e a reclamação tricolor foi recebida com ironia por membros da comissão técnica do Verdão também presentes na zona mista.

Um vídeo seguinte ao da delegação do São Paulo exaltada mostra o que foi afirmado por Casares à imprensa, e apresenta o auxiliar técnico do Palmeiras, João Martins, rindo da confusão armada pelos rivais em seu estádio. Confusão a qual iniciou após o Tricolor acusar dois lances em que se sentiu prejudicado dentro do jogo, a não expulsão de Richard Ríos após entrada dura em Pablo Maia e um pênalti não marcado em cima de Luciano no segundo tempo do Choque-Rei.

Após a briga, o cartola do São Paulo também afirmou que é preciso não deixar “Abel apitar mais os jogos do Paulistão”, ao se referir ao treinador do rival, como favorecido pelas decisões da arbitragem nas partidas do estadual. Além disso, barrou a coletiva de imprensa do comandante do Palmeiras nas dependências do Morumbis alegando tratamento ruim e que quase sempre não dá nenhuma estrutura para coletivas em clássicos no Allianz Parque, estádio do Verdão. O Palmeiras, por meio de sua assessoria, declarou que nunca tratou com desrespeito seus adversários em casa.

Ofensas do São Paulo são relatadas em súmula

O árbitro Matheus Candançan relatou os xingamentos recebidos por ele e seus auxiliares durante a confusão, de membros do elenco do São Paulo e da diretoria tricolor, que segundo o juiz, são o presidente Julio Casares, o diretor de futebol do clube, Carlos Belmonte e Fernando Ambrogi.

A súmula encaminhada para a Federação Paulista de Futebol aponta frases como “Safados, que pênalti foi esse?” e Você não vai ficar em paz, desgraçado, o Abel apitou o jogo hoje”.  Além disso, relata a presença da PM para a proteção e retirada da arbitragem em segurança do estádio do Morumbis após o jogo.

Foto: Marcos Ribolli/ge.globo

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *